Loading...
 
HUMANO — NAÇÕES — POVOS — RAÇAS

VIDE: ELEITOS; CASTAS
Ao se ler nas Escrituras os termos "nação", "raça", no mais das vezes deve-se entender uma referência a uma "elite", e até, preferencialmente, uma referência a uma "elite" de "partes" ou "eus" dentro de cada um de nós. Aqueles que, dentro de nós, estão voltados para o Divino, também dentro de nós, e O reconhecem e por meio Dele trabalham para realizá-Lo, torná-Lo real, fazê-lo Rei. Os termos "povo" e "multidão", repetidas vezes mencionados nos Evangelhos, como seguindo Jesus denotam comumente a multiplicidade em nós mesmos, a multiplicidade que somos, que ouve, segue a voz, mas nem sempre se "afilia", se torna de fato uma irmandade de "filhos adotivos" de Deus, assim não ingressa e não faz parte da Nação, da Raça, do Povo de Deus, dos Filhos de Israel.


CRISTOLOGIA
Orígenes:
Quando vês que o "Cristo, nossa Páscoa, foi imolado", e que comemos "os ázimos da pureza e da verdade" (1Co 5, 7-8), quando vês os frutos da boa terra na Igreja se multiplicar a "trinta, sessenta e cem por um", quero dizer as viúvas, as virgens, e os mártires, quando vês crescer a raça de Israel, daqueles "que não são nascidos do sangue, nem da vontade do homem, nem da vontade da carne, mas de Deus mesmo", e quando vês "reunidos juntos os filhos de Deus que estavam dispersos", quando vês o povo de Deus celebrar o Sabá, não em se abstendo da maneira comum de viver, mas se abstendo das obras do pecado; quando vês tudo isto, diz que Jesus, o Filho de Deus, possui o principado.


GNOSTICISMO
Roberto Pla: Evangelho de Tomé - Logion 113
Se conta no Gênesis que Rebeca concebeu dois filhos, gêmeos, que se entrechocavam em seu ventre. “Entrechocar-se”, era sentir a guerra que se levantava em seu seio e “ela”, ao notar a dificuldade de viver assim, consultou a YHWH, que lhe disse: “Dois povos há em teu ventre, duas nações, que ao sair de tuas entranhas, se dividirão” (Gn 25,22).

Pela expressão “sair de tuas entranhas” há que entender que as duas nações são reconhecidas pela consciência. Isto é o que significa “levantar-se nação contra nação”. E se há um levantar-se, quer dizer, se há um dar-se conta da existência destes impulsos opostos que se entrechocam, é graças a esse salvador processo de objetivação ao qual estão submetidos todos os conteúdos psíquicos quando a alma põe em prática a conversão sobre si mesma, a metanoia ou autoconsciência sistemática, tal como a propõe o evangelho desde o dia da proclamação.

Há que recordar que as duas “nações” são, segundo a linguagem veterotestamentária, as duas frações da alma. Primeiro, a alma instintiva, o sopro infundido na forma de Adão, a nefes, e segundo, o sopro racional que veio depois, com a criação de Eva, para retirar de seu sono de inconsciência ao primeiro Adão.

O segundo sopro, o ruah, se constituiu em “nação”, e as duas nações da alma resultaram ser dois povos de impulsos contrapostos; o primeiro, instintivo, apegado ao Soma, e o segundo, racional, buscador do conhecimento. Foi este segundo impulso, o anseio de conhecimento, o que trouxe à alma, convertida já em mãe de todos os viventes que buscam a Vida, a divisão que os evangelistas mencionam aqui e que explicam como “levantar-se nação contra nação” (Inicio das Dores). Esta guerra geral veio configurada na Escritura pela sentença contra a serpente antiga.

Quanto ao Filho do Homem e a seu senhorio futuro sobre a alma quando esta chegue a sua Synteleia, quer dizer, à consumação de sua guerras, foi invocado a seu modo pelo salmista: “Te darei em herança as nações” (Sl 2,8). Isaías insiste nisto mesmo: “Pus meu espírito sobre ele: ditará lei às nações” (Is 42, 1).

PERENIALISTAS
Frithjof Schuon: Sentido das Raças

Julius Evola: LINHAGEM

Online Users

1 online user

Responsável

Murilo Cardoso de Castro
Doutor em Filosofia, UFRJ (2005)