Carregando...
 
id da página: 10780 Os Logoi de Isis a Horus (XXIII-XXVII)

  1. Os Logoi de Isis a Horus (XXIII-XXVII)
    1. Excerto XXIII: "De Hermes Trismegisto: extrato do livro sagrado Kore Kosmou"
      • Afabulação
        • Isis a Horus
          • Preâmbulo: Isis oferece ambrosia a Horus, que confere a esta psyche que é Horus, a imortalidade total.
          • Organização do Mundo superior, criação da Physis, das almas e dos signos zodiacais de forma humana e animal.
          • Revolta e castigo das almas, criação por Hermes dos corpos humanos onde as almas serão aprisionadas, crimes dos homens, queixa dos Elementos denegridos por estes crimes, promessa que Deus faz à terra de lhe enviar uma emanação divina que a salvará.
          • Vinda sobre a terra da emanação divina, quer dizer Isis-Osiris.
        • Hermes a Isis
          • Hermes na Kore Kosmou
            • Exórdio de tom filosófico sobre as relações entre o céu epikeimenos e o mundo inferior (ta hypokeimena)
            • Mundo dividido em duas partes: o céu acima, o mundo inferior abaixo; mundo superior é naturalmente ordem e beleza, o inferior desordem, e depende do superior (e vice-versa).
            • "argia" do mundo superior; criação de Physis; criação das pneumata, discurso de Deus a estes pneumatas, agora denominados almas (psychai); fabricação dos signos antropomórficos do zodíaco; comando às almas de moldar os animais sobre o modelo dos signos zodiacais de forma animal moldados por Deus.
            • Obedientes à ordem divina, as almas moldam os animais, mas artimanham deixar seu lugar.
            • Doravante Hermes vai ter uma atividade preponderante no drama antropogônico: encarregado de criar os homens nos quais as almas serão aprisionadas para seu castigo.
            • Hermes então desaparece de cena, depois da criação do homem; as almas se queixam a Deus que anuncia a metensomatose, diferentes para cada alma segundo o modo que tenha se comportado.
            • Crítica a Hermes por ter dotado o homem com tantas qualidades, que afirma o império da necessidade sobre os destinos humanos.
            • Formação do mundo; a terra, sob os fogos do sol, se coagula e se mostra dotada e ornada de todos os seres, que são belos.
            • Exaltação de Isis; Deus promete a salvação pelo casal Isis-Osiris.
          • A paradosis de Hermes e Isis: livros de Hermes a serem reconhecidos por Isis e Osiris; transmissão oral direta em discurso de Hermes a Isis; tradição indireta de Hermes a Kamephis e deste a Isis.
      • Plano geral do tratado
        • Preâmbulo de Isis a Horus
          • Prólogo hermético sobre a agnosia original e a revelação por Hermes, que retorna ao céu, ao findar sua missão.
        • Revelação de Hermes sobre a gênese
          • Organização do mundo superior estadia das almas
            • criação dos astros
            • criação das almas
            • formação dos signos do zodíaco
          • Organização do mundo inferior = queda e punição das almas
            • criação (no céu) dos animais = pecado das almas
            • criação (no céu) dos homens = castigo das almas
              • conselho dos deuses
              • episódio astrológico
              • criação do homem
              • episódio sobre a paradosis
              • queixa das almas
              • primeira resposta de Deus
              • segunda resposta de Deus
              • episódio zoológico
              • episódio de Momos
            • formação da terra estadia dos homens
          • Anarquia primitiva e soteriologia
            • crimes dos homens
            • queixa dos Elementos
            • processo de uma segunda aporrhoia
      • Aretologia de Isis-Osiris, que acabada sua missão, retornam ao céu
      • Hino
    2. Excerto XXIV-XXVI
      • XXIV Origem das diferentes espécies de almas
        • Origem das almas reais
        • Origem das almas nobres
        • Origem das almas macho e das almas fêmeas
        • Origem das almas inteligentes
        • Porque os habitantes do Egito são os homens mais inteligentes
        • De onde vem, nas longas doenças, as alterações da fala, da faculdade de raciocinar e da alma mesmo
      • XXV Onde vão as almas depois da morte
        • Questão de Horus: onde vão as almas depois da morte
        • Isis convida Horus para escutar atentamente
        • Princípio geral: Tudo que tem consistência e que não é eliminado ocupa um lugar; diferença entre os corpos "aloga" como a água, que , compostos ek pollon sygkrimaton, não retornam ao mesmo lugar, mas se misturam a outros corpos, e a alma, feita de uma substância única. Logo a alma depois da morte não vai se perder no ar, mas ela retorna ao lugar de onde ela partiu.
        • Ilustração desta tese por uma comparação (os animais em cativeiro, libertos de repente, retornando a seu lugar habitual)
        • Descrição da "diatosis" celeste
        • Transição à resposta propriamente dita (onde vão as almas?)
      • XXVI Continuação do precedente - Qualidades do corpo humano diversificados segundo a dosagem relativa dos quatro elementos na massa corporal
        • Relembrança da doutrina geral sobre as zonas celestes, e em particular sobre a zona habitada por almas
        • As almas ou bem retornam ao lugar mesmo de onde vieram, ou bem vão mais alto ou mais baixo segundo a maneira pelas quais elas se conduziram sobre a terra
        • A descida das almas aqui em baixo e sua ascensão ao céu se faz sob a supervisão de dois ministros da Providência divina
        • Aqui em baixo a Natureza, em correspondência com a hierarquia das almas no céu, fabrica os corpos destinados às almas, ajudada ela também por duas Forças, a Memória que conserva os tipos originais, a Experiência que adapta os corpos terrestres às diversas características das almas
        • Explicação teológica da natureza das aves, quadrúpedes, répteis e peixes
        • Aplicação destes princípios às diversas espécies de almas; é nos corpos assim caracterizados que descem as almas, cada uma preenchendo aqui em baixo a função à qual a predispõe o lugar celeste de onde ela vem (diferentes espécies de realeza)
        • Comparação entre este movimento incessante das almas (do céu à terra e vice-versa) e o movimento da respiração.
        • As outras qualidades do composto humano provem da dosagem relativa dos quatro elementos na massa corporal segundo há para cada elemento excesso, falta ou justa medida.
        • A diversidade desta dosagem determina os corpos dos pássaros, dos homens, dos quadrúpedes, dos répteis e dos peixes.
        • Esta dosagem, juntamente com a influência do meio ambiente, decide também quanto a estatura dos seres vivos
        • Destas mesmas condições depende enfim o estado de saúde ou de doença


Dispositivos móveis

Online Users

1 usuário on-line

Responsável

Murilo Cardoso de Castro
Doutor em Filosofia, UFRJ (2005)
Mostrar mensagens de erro do PHP