Carregando...
 
id da página: 2565 ALAN WATTS
Alan Watts
Um buscador difícil de classificar em termos de caminho que seguiu, tantas foram suas experiências. Entretanto apesar das derrapagens em suas andanças e desandanças nos legou algumas notáveis reflexões, como seus estudos sobre o "mito cristão", o Tao, Deus e a Contemplação Espiritual.

WIKIPEDIA: English

Livros: Originais em inglês (Amazon)

Escritos e áudios na Internet:
—Já sei que nestes momentos não pensa em homens como Allan Watts, a quem também conheceu...

—Sim, e eu diria que muito bem. Era um gênio da adivinhação pelo que se refere à certas tradições orientais. E conhecia perfeitamente, de primeira mão, sua própria religião. Já sabe que foi sacerdote episcopaliano (Igreja da Inglaterra). Conhecia bem o cristianismo ocidental e o zen, também podia entender outras muitas coisas. Eu o admirava muito. Além disso possuía um dom muito raro: expressava-se em uma linguagem que não era pretensioso, que não correspondia a uma vulgarização superficial e que, ao mesmo tempo, resultava acessível. Acredito que Watts não abandonou de verdade o sacerdócio, mas sim procurou outro caminho para comunicar ao homem moderno o que os homens de outras épocas chamavam «Deus». Converteu-se em um professor, em um verdadeiro guru para a geração dos hippies. Não tive com ele amizade íntima, mas acredito que era honrado, e além disso admirava muito sua potência de adivinhação. A partir de alguns elementos, de alguns bons livros, era capaz de apresentar a essência de uma doutrina.

—O que pensava Watts, por sua parte, dos livros de Mircea Eliade?

—Lia-me e citava-me. Nunca me reprovou o não ser mais «pessoal» em meus livros. Com efeito, entendeu perfeitamente que meu objetivo consistia, unicamente, em fazer inteligível ao mundo moderno —mesmo o ocidental que oriental, à Índia quão mesmo Tóquio, ou Paris— umas criações religiosas e filosóficas pouco conhecidas, ou mal comentadas. Para mim, o conhecimento dos valores religiosos tradicionais é o primeiro passo para uma restauração religiosa. Enquanto que um homem como Watts, e outros como ele, acreditavam —possivelmente com razão— que é possível dirigir-se às massas com algo que se pareça com uma «mensagem» e fazer que despertem, eu pensava que nós —produto de um mundo moderno — estávamos «condenados» a receber toda revelação através da cultura. Teremos que recuperar as fontes através das formas e das estruturas culturais. Estamos «condenados» a aprender e a reviver à vida do espírito mediante os livros. Na Europa moderna já não há ensino oral nem criatividade folclórica. Por isso penso que o livro tem uma enorme importância, não só cultural, mas também religiosa, espiritual. Mircea Eliade Prova do Labirinto


Excertos:

Dispositivos móveis

Online Users

1 usuário on-line

Responsável

Murilo Cardoso de Castro
Doutor em Filosofia, UFRJ (2005)
Mostrar mensagens de erro do PHP